We can do it

17:42:00



Você já deve ter visto aquele cartaz antigo do “We Can Do It”. A moça retratada lá tem o apelido de Rosie, the riveter (em tradução livre, Rosie, a rebitadora, que é um tipo de operária de fábrica), e essa tal Rosie, a rebitadora se transformou em um ícone por todos os Estados Unidos.Tal cartaz virou um símbolo feminista , que valoriza o poder econômico cada vez mais conquistados pelas mulheres. 



O cartaz é baseado em uma fotografia em preto e branco tirada de uma operária chamada Geraldine Doyle de uma fábrica em Michigan de apenas 17 anos, feito por J. Howard Miller.

cartaz we can do it

Todavia esse cartaz não tinha como propósito empoderar mulheres, o objetivo era mobilizar as mulheres para que trabalhassem , sustentando o país na época da segunda Guerra Mundial, considerando que os homens estavam na guerra, assim havia uma falta enorme de mão de obra.

Então o governo americano decidi criar toda essa "marketing" em cima do trabalho feminino.O que funcionou : em 1890 a porcentagem de mulheres nas indústrias era de 17% e em 1944 já se contava 35,4%.
Mas com tudo isso ,esse cartaz só se torna um símbolo feminista , quando é reencontrado na década de 80 e passou a ser usado para promover o feminismo e outras lutas políticas daquela época.
Capa da Smithsonian em 1994 e tornando-se assim um selo postal dos Estados Unidos.
Penso que mesmo tendo sido criado por motivos horríveis (historicamente complexos), devemos analisar os detalhes especificamente e constatar que consequências boas surgiram e que ,o difícil e lento processo de colocação da mulher no mercado de trabalho , teve um grande estopim com tudo isso.



Que tal ficar mais um pouquinho?

2 Comentários ♥

  1. Oi Letícia,
    Fiquei curiosa para ver a verdadeira Rosie, a Geraldine.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi obrigada pelo comentário!
      Bem lembrado ehehe...
      Essa aqui é a Geraldine (com só 17 anos)
      Bjos

      Excluir